sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

Crônica:

A NOITE DA SEXTA – FEIRA TREZE

  Era para ser mais um dia comum como todos os outros, mas não, era sexta-feira treze, a noite estava nebulosa e fria tipicamente como em cenas de filme de terror. Cercada de misticismo, lendas ou rituais, a sexta- feira treze sempre foi e ainda continua sendo alvo de muitos mistérios. Seria mesmo a noite de azar ou tragédias? Para alguns pode até ser, o que não impossibilita que coisas surpreendentemente boas venham ocorrer nessa data.
  De repente o telefone toca e inesperadamente surge um convite para sair, ainda com o tempo chuvoso ela aceita o convite e começa a se arrumar mesmo não sabendo ao certo aonde vai capricha no visual, pois aquele não era apenas um passeio qualquer, havia muita coisa em jogo e a moça estava disposta a tudo, pois há bastante tempo esperava por esse dia.  Um carro preto com vidros fechados chega para apanhá-la e eles saem sem destino pelas ruas, que por sua vez estão quase vazias, o casal fica por algum tempo a procurar, talvez, um lugar especial, pois visitam diversos bares e restaurantes e nada esta condizente com a ocasião.
   Após muito tempo à procura de um ambiente satisfatório, a moça sugere um lugar, o rapaz aceita e eles partem para lá. Chegando ao local ambos descem do carro e se assustam com presença de um gato preto na porta da pizzaria. Ui!! Gritou à jovem.
 A presença daquele gato não intimidou o jovem casal, assim eles ignoram toda e qualquer superstição e entram no local. Por um acaso do destino estavam eles no mesmo lugar onde se conheceram há bastante tempo. Seria este o ambiente mais apropriado para um reencontro entre duas pessoas que se perderam em meio aos desencontros da vida. Aquele era o casal certo, mas se encontraram num momento inoportuno onde a vida de ambos estava passando por momentos turbulentos, porém o destino estava lhes dando uma nova chance de reviver uma história de amor interrompida no passado. As horas passavam e eles continuam a conversar, sem se preocuparem com o mundo que existe lá fora ou mesmo que existem outras pessoas além deles.
  O que para muitos é sinal de azar como ver um gato preto em noite de sexta-feira treze não interferiu em absolutamente nada na vida do jovem casal, pelo contrario, foi exatamente naquela noite que eles se reencontraram após muitos e muitos anos sem se verem, quis o acaso ou destino que o reencontro ocorresse naquele dia em meio a situações nebulosas cheia de suspense no ar. E o suspense continua, pois ainda não se sabe ao certo o que aconteceu depois daquele longo período de conversa que rumos tomaram essa história.
                                                                                (Marya Paixão)
  
  

Crônica:

  
Primeira  vez
   Ao nascermos estaremos aptos a experimentar diversas sensações pela primeira vez, o primeiro choro, o primeiro sorriso, os primeiros passos... A sensação de viver algo pela primeira vez é inesquecível, são lembranças que levaremos conosco por todo sempre, sejam elas boas ou ruins.
  A primeira vez, sempre será a primeira vez! A primeira decepção pode ser vista a principio, como uma grande tragédia ou o fim do mundo, mas com o tempo tudo se transforma em experiência e as experiências servem para nos tornar mais fortes, prepararmos para os desafios do mundo. A primeira vitória é vista como um momento mágico. Gostaríamos que o universo parasse naquele exato momento e todos percebessem o grande ato que acabastes de realizar com pleno sucesso e satisfação.  
 Toda experiência vivida pela primeira vez será sempre marcante, mas existe uma que se sobressai por ser ela mais intensa e ocorrer num momento de transição.  O primeiro amor sem dúvida é uma fase muito acentuada, onde um novo sentimento surge de repente e invade seu coração sem pedir licença para entrar. Sempre existirá a lembrança de quando os olhares se cruzaram pela primeira vez e a partir de então reações químicas, físicas, biológicas e psíquicas começaram a fazer parte da sua vida.
Passe o tempo que passar haja o que houver, não importa o quanto dure, seja o for, mas nunca deixaremos de viver ou experimentar emoções, sensações, lições pela primeira vez. É algo que faz parte do ciclo da vida, todos os dias o sol nos adverte para um novo começo e nos da à chance de acertar, errar ou acertar com os erros, pois o importante na roda da vida nem sempre é o acerto, mas sim a tentativa de acertar.  
                                                                                  (Maria Paixão da Cruz)

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

Rosa de Saron

Minha Triste Imperfeição

Foi buscando acertar que às vezes eu errei                               
Mas quem pode acusar sem tentar compreender
Quando saio sem regar violetas que plantei
A sede que causei me afogará
Sem pressa, sei que posso alcançar
Digam o que quiserem só uma coisa importa
Verdadeiro é meu amor
O sentimento foi real
Quando eu te entreguei
Tudo aquilo que há em mim
Pode até não parecer
Se o mal que há em mim
Faz doer o teu coração
Minha triste imperfeição
Será que conseguirei a bondade que sonhei
Estou sempre a tentar remover as pedras
Se desvio o olhar da mão em minha direção
Fecho os olhos para mim e para você
Não canso, não desisto de lutar
Ainda se tropeço só uma coisa importa
Verdadeiro é meu amor
O sentimento foi real
Quando eu te entreguei
Tudo aquilo que há em mim
Pode até não parecer
Se o mal que há em mim
Faz doer o teu coração
Minha triste imperfeição