quarta-feira, 28 de março de 2012

Dia Nacional da Poesia

 

Poesia é uma arte literária e, como arte, recria a realidade. O poeta Ferreira Gullar diz que o artista cria um outro mundo “mais bonito ou mais intenso ou mais significativo ou mais ordenado – por cima da realidade imediata”.
A poesia ganhou um dia específico, sendo este criado em homenagem ao poeta brasileiro Antônio Frederico de Castro Alves (1847-1871), no dia de seu nascimento, 14 de março.
Castro Alves ficou conhecido como o “poeta dos escravos” por sua luta pela abolição da escravidão. Além disso, era um grande defensor do sistema republicano de governo, onde o povo elege seu presidente através do voto direto e secreto.
Sua indignação quanto ao preconceito racial ficou registrada na poesia “Navio Negreiro”, chegando a fazer um protesto contra a situação em que viviam os negros. Sua arte era movida pelo amor e pela luta por liberdade e justiça.

Saudação aos que Vão Ficar

Saudação aos que Vão Ficar

Como será o Brasil
no ano dois mil?
As crianças de hoje,
já velhinhas então,
lembrarão com saudade
deste antigo país,
desta velha cidade?
Que emoção, que saudade,
terá a juventude,
acabada a gravidade?
Respeitarão os papais
cheios de mocidade?
Que diferença haverá
entre o avô e o neto?
Que novas relações e enganos
inventarão entre si
os seres desumanos?
Que lei impedirá,
libertada a molécula
que o homem, cheio de ardor,
atravesse paredes,
buscando seu amor?
Que lei de tráfego impedirá um inquilino
- ante o lugar que vence -
de voar para lugar distante
na casa que não lhe pertence?
Haverá mais lágrimas
ou mais sorrisos?
Mais loucura ou mais juízo?
E o que será loucura? E o que será juízo?
A propriedade, será um roubo?
O roubo, o que será?
Poderemos crescer todos bonitos?
E o belo não passará então a ser feiura?
Haverá entre os povos uma proibição
de criar pessoas com mais de um metro e oitenta?
Mas a Rússia (vá lá, os Estados Unidos)
não farão às ocultas, homens especiais
que, de repente,
possam duplicar o próprio tamanho?
Quem morará no Brasil,
no ano dois mil?
Que pensará o imbecil
no ano dois mil?
Haverá imbecis?
Militares ou civis?
Que restará a sonhar
para o ano três mil
ao ano dois mil?

Millôr Fernandes, in "Pif-Paf"

quarta-feira, 14 de março de 2012

                              Uma Prova de Amor



Ana é uma garotinha que já nasceu com um propósito, salvar a vida da irmã mais velha que está com leucemia. Para isso ela foi concebida com a ajuda da medicina para que pudesse ser uma doadora compatível. E desde que nasceu seus pais a usaram para prover o necessário para sua irmã. Agora esta precisará de um transplante de rim e Ana sabe que, se o fizer, sua vida será limitada. E se não o fizer, sua irmã morrerá. Mas sabe também que sua irmã terá poucas chances de sobreviver, mesmo que o transplante dê certo.
A fim de evitar o transplante, Ana procura um advogado e entra com uma ação contra seus pais, buscando uma emancipação médica, ou seja, poder ela mesma tomar decisões sobre seu próprio corpo.

O filme tem uma trama muito bem feita. Não se trata apenas de uma luta de uma jovem contra o câncer, mas o quanto esta luta afeta todos ao seu redor.
Enquanto assistia ao filme, me questionava sobre a atitude de Ana. Afinal ela não deixa dúvidas sobre seu amor pela irmã. E isso leva ao questionamento: até que ponto vale a luta e o sacrifício quando se sabe que já não adiantará nada? E que decisão eu tomaria no lugar de Ana?

Um bom filme para se ver e pensar um pouco.

quinta-feira, 1 de março de 2012

Aprendi que não posso exigir o amor de ninguém...
Posso apenas dar boas razões para que gostem de mim...
E ter paciência para que a vida faça o resto...

William Shakespeare